Internet das coisasA Internet das Coisas já deu mostras de seu enorme potencial transformador no mercado de data center, em relação aos seus clientes, fornecedores de tecnologia, tecnologias inovadoras, modelos de vendas e de marketing, de acordo com um levantamento feito pela Gartner, Inc. A Gartner estima que a Internet das coisas vai incluir 26 bilhões de unidades instaladas até 2020, incluindo produtos e serviços que irão gerar receita adicional superior a 300.000 milhões dólares americanos, a maioria deles em serviços.

“As implementações da Internet das Coisas vão gerar grandes quantidades de dados que precisam ser processados ​​e analisados ​​em tempo real”, disse Fabrizio Biscotti, diretor de pesquisas do Gartner. “O processamento de grandes quantidades de dados em tempo real da Internet das coisas, vai aumentar à medida em que a proporção de workloads de data centers também aumentar, fazendo com que os fornecedores enfrentem um ciclo de segurança novo, com a capacidade de análise e desafios.”

A Internet das Coisas conecta ativos remotos, e fornece um fluxo de dados entre os ativos e os sistemas de gestão centralizada. Esses ativos podem ser integrados em processos organizacionais novos e existentes, para fornecer informações sobre status, localização, funcionalidade, e assim por diante. Além disso, as informações em tempo real permitem a compreensão mais precisa do estado, e isso aumenta a utilização e produtividade através do uso otimizado e suporte a decisões mais precisas.

Referência: Under-Linux

Publicado por Alexandre Viana - Diretor VirtualLink

CEO da empresa VirtualLink , Pós-graduado em Redes de Computadores pela UFPA, Consultor Sênior em T.I.C. com ênfase em Soluções de Interoperabilidade entre os Sistemas Unix, Windows e Linux, Especialista em Soluções de T.I.C. baseadas em Software Livre.