windows xpUsuário tem uma série de opções frente ao fim do suporte ao sistema operacional lançado em 2001

A Microsoft deixou de garantir o suporte técnico para o Windows XP, uma das versões mais bem acabadas de seu famoso sistema operacional.

O sistema operacional anda é popular no Brasil. De acordo com estimativas, 11% dos computadores do Brasil ainda rodam o Windows XP.
O fim do suporte significa que a Microsoft vai parar de monitorar o Windows XP e fazer atualizações para sanar seus possíveis problemas, além de atualizar sua compatibilidade para novos acessórios do mercado.
A empresa também não dará mais ajuda via call center para empresas e usuários que tiverem problema com o sistema operacional.
Na prática, o computador do usuário ficará mais suscetível a ataque de hackers e muitos dos novos programas que chegarem ao mercado não serão compatíveis com o sistema.
Com o movimento, a Microsoft quer que os donos de Windows XP migrem para versões mais atuais de seu sistema operacional.
Saiba o que fazer com o fim do suporte do Windows XP:
Segurança
A principal questão de preocupação com o fim da atualização do sistema da Microsoft são as possíveis brechas de segurança que os hackers podem encontrar e que não seriam corrigidas pela empresa. O risco de um ataque de hackers, contudo, sempre existe. Com suporte ou não.
Cerca de 10% dos donos de máquinas com Windows XP já não faziam a atualização de seu sistema, ou seja, já não se interessaram em buscar as últimas correções feitas pela Microsoft. No uso doméstico, o dono de computador que quiser continuar com o Windows XP pode optar pela compra de um antivírus para manter sua máquina segura.
A presença do antivírus não garante que a máquina estará 100% à prova de ataques, mas diminui as chances. Boas práticas de uso da internet – como não navegar por qualquer site ou ficar atento a spams, também ajudam na hora de manter o PC longe de riscos.
Incompatibilidade com novas tecnologias
O fim da atualização do sistema fará com que muitos dos novos hardwares não sejam reconhecidos pelo Windows XP. Ou seja, se o usuário precisar trocar um mouse, por exemplo, e comprar um aparelho novo, existe a possibilidade de este acessório não funcionar em sua máquina.
A retirada do Windows XP do portfólio ativo da Microsoft fará com que muitas empresas de software também deixem de adaptar seus programas para o sistema operacional. Isto, contudo, já acontece, pelo tempo em que a plataforma está no mercado. Mas agora a frequência será intensificada.
Mundo corporativo
Segundo o Gartner, um terço das empresas ainda tem pelo menos 10% de suas máquinas rodando com Windows XP. A questão da segurança é mais importante para elas do que para o usuário comum, uma vez que as informações estratégicas da companhia são de alto valor.
A consultoria de tecnologia, contudo, afirma que as empresas não precisam fazer a transição imediata de sistema. Mas recomenda que a área de tecnologia tenha mais atenção com essas máquinas, pois elas podem se tornar pontos fracos no ambiente da empresa.
Para tal, a Gartner aconselha que: a conectividade destas máquinas seja a mínima possível, elas devem ter restrições de programas, proteção da memória, não ter privilégios administrativos, mínimo acesso à internet e e-mail e alguma solução de proteção contratada, como antivírus.
A consultoria ainda recomenda que a área de tecnologia tenha uma rotina de contenção pré-definida caso uma brecha no sistema do Windows XP seja encontrada e que a troca destas máquinas comece a ser planejada.
Referência: istoedinheiro