brainlivale

A rede social educativa polonesa Brainly anunciou nesta sexta-feira (30) ter chegado à marca dos 40 milhões de usuários em 35 países neste início de 2015. Fundada em 2009, a rede une estudantes de todos os níveis que tirarm dúvidas sobre diferentes matérias com outros estudantes e com professores voluntários. No Brasil há dois anos, a Brainly já tem três milhões de usuários.

Para os criadores, o sucesso vem do fato de que os alunos em todos os cantos do mundo enfrentam problemas escolares que são muito similares e a Brainly oferece como solução respostas corretas e quase imediatas. Após o aporte de US$ 9 milhões liderado pela General Catalyst e recebido em outubro de 2014, a start up abriu um escritório em Nova York e outro em Berlim.

“Queremos atrair os melhores talentos de vários cantos do mundo e criar a melhor plataforma de estudo possível. Existem vários websites de educação online desenhados para professores e pais. Para a Brainly o mais importante é ser educativo e útil na perspectiva dos alunos, por isso  ‘Alunos em primeiro lugar’ é o nosso lema”, diz Micha Borkowski, co-fundador e diretor executivo da Brainly.

A plataforma está disponível em 12 línguas, tem 40 milhões de usuários por mês de 35  países que fazem mais de 8 mil perguntas por hora; 450 moderadores voluntários monitoram a qualidade do processo de aprendizagem dos alunos, explicam os criadores.

A empresa, apoiada por Point Nine Capital, General Catalyst, Runa Capital e Learn Capital, acaba de contratar o executivo de marketing Julien Zakoian, que estave à frente da vente-privee.com, empresa francesa de varejo online que fatura US$ 2 bilhões por ano; e Jason Green, diretor-chefe de Tecnologia que atuava na Wimdu, o maior website europeu de aluguel peer-to-peer de propriedades privadas, que recebu mais de US$ 90 milhões de investimento da Rocket Internet e Kinnevik.

No Brasil há dois anos a Brainly já tem mais de três milhões de visitantes brasileiros dispostos a estudar juntos. Segundo os administradores, 80% das dúvidas dos estudantes são respondidas em 10 minutos por professores voluntários. Ainda de acordo com os administradores do Brainly brasileiro, o engajamento é alto a ponto de um professor já voluntariamente respondido a 17 mil perguntas de estudantes. O serviço é gratuito: o estudante se cadastra no site brainly.com.br e passa a se relacionar com outros de diferentes áreas.

 

Fonte:G1